Impacto ambiental de trilhas no maciço da Tijuca, Rio de Janeiro

Adriano Severo Figueiró, Ana Luiza Coelho Netto 

RESUMO:

Este trabalho teve por objetivo identificar e avaliar o gradiente ambiental gerado pela existência de trilhas em áreas de borda na interface floresta – cidade, em duas áreas selecionadas com vizinhança de diferentes graus de adensamento urbano (área do Catrambi – alta densidade urbana, e área do Soberbo- baixa densidade), na Floresta da Tijuca – Rio de Janeiro (RJ). Tomou-se como hipótese inicial que o aumento da pressão urbana implica em um adensamento de trilhas não planejadas na área florestal contígua, acarretando uma modificação na dinâmica do efeito de borda, acelerando sua propagação, especialmente no que se refere às mudanças estruturais da vegetação e microclimatológicas, com rebatimento direto na funcionalidade do sistema ambiental. Os levantamentos de campo ficaram restritos a quatro variáveis principais: análise da estrutura da vegetação nas margens das trilhas e caminhos, Densidade Aparente do Solo no leito das trilhas, variabilidade microclimática entre as trilhas e o interior da borda florestal e, finalmente, análise da serapilheira acumulada nas parcelas localizadas às margens das trilhas. 

Palavras-chave: gradiente ambiental , Floresta da Tijuca, trilhas

Ver o texto completo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: