Visitantes e avaliação dos impactos ecológicos e recreativos em Itatiaia

Maria Isabel Amando de Barros

RESUMO: O presente trabalho teve como objetivos descrever e avaliar as condições atuais dos impactos ecológicos e recreativos em trilhas e áreas de acampamento, além de obter conhecimentos sobre a visita e os visitantes do Planalto do Parque Nacional do Itatiaia (PNI). Com base nas informações obtidas, procurou-se compreender as relações uso-impacto e explorar as diretrizes para um programa de educação do visitante voltado para a prática de técnicas de mínimo impacto que contribuísse para atenuar os danos identificados. As informações sobre a visita e os visitantes foram obtidas através da aplicação de um questionário a 605 pessoas entre os meses de Fevereiro a Agosto de 2002. A avaliação das condições das trilhas e áreas de acampamento foi feita através do levantamento detalhado de indicadores de impactos ecológicos e recreativos. A partir de 1996 o número de visitantes no Planalto teve um aumento relativo maior do que na parte baixa do Parque, demonstrando que a demanda por atividades ligadas a caminhadas, ascensão de picos, escalada e acampamento aumentou. Entretanto os dados obtidos mostram que cerca de 84% das pessoas que visitam o Planalto do PNI concentram suas atividades em três lugares: o Pico das Agulhas Negras, o Pico das Prateleiras e o Abrigo Rebouças. A concentração do uso nas trilhas citadas possivelmente contribuiu para a ocorrência de valores significativamente diferentes encontrados para os indicadores de impactos relacionados à largura total, à profundidade do canal e à área transversal das trilhas estudadas. O nível educacional dos visitantes do Planalto é alto, com 72% das pessoas cursando ou com nível universitário completo. Esse dado, aliado ao fato de que 90% dos visitantes mencionaram que as ações de manejo do uso público presentes atualmente no Planalto não alteraram ou melhoraram a qualidade da sua visita é um indicativo de que os visitantes são receptivos a uma maior presença de ações de manejo da visitação e da aceitação de um programa de educação do visitante. A avaliação dos indicadores de impacto das áreas de acampamento mostrou que todos os indicadores sofreram uma diminuição nos valores entre os anos de 1998 e 2002, com exceção da área de solo nu, como resultado do fechamento das áreas após um incêndio no maciço das Prateleiras em Julho de 2001. O levantamento detalhado dos impactos nas áreas de acampamento mostrou que os problemas mais graves estão relacionados ao uso público e são resultado da falta de informação e conhecimento técnico dos visitantes sobre a magnitude dos impactos causados pela atividade de camping e as formas de minimizá-los. Com base nos resultados encontrados foram elaboradas diretrizes que poderão compor um programa de educação sobre técnicas de mínimo impacto para o Planalto do PNI. Elas devem incluir técnicas relacionadas aos seguintes temas: deteriorização das trilhas estabelecidas, abertura de trilhas secundárias, deteriorização de áreas de acampamento estabelecidas, proliferação de áreas de acampamento, lixo, dejetos humanos e aglomerações.

Palavras-chave: Itatiaia, visitação, trilhas

Ver o texto completo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: