Floresta Ombrófila Densa Altomontana: aspectos florísticos-Pr

25/11/2009

Floresta Ombrófila Densa Altomontana: aspectos florísticos e estruturais de diferentes trechos na Serra do Mar, PR

Alexandre Koehler, Franklin Galvão,  Solon Jonas Longhi

RESUMO

Foram avaliadas a florística e a estrutura da Floresta Ombrófila Densa Altomontana, em cinco diferentes montanhas, ao longo da Serra do Mar no PR. Trechos primários, sempre acima dos 1.250 m, foram mensurados, com dez parcelas retangulares (5×10 m), em cada local. Foram registradas 55 espécies arbóreas, 36 gêneros e 24 familias. Constatou-se a elevada densidade arbórea, até 4.490 árvores por hectare (PAP > 10 cm), formando um estrato único, com altura média de 4 m. O fator altitude exerce grande influência nesse aspecto. Contudo, verificou-se, que, floristicamente, todos os trechos são similares, embora ocorram diferenças estruturais importantes entre eles.

Palavras-chave: floresta altomontana, Serra do Mar, florística e estrutura.

Veja o texto completo

Anúncios

Distribuição altitudinal e simpatria de aves na Floresta Atlântica

25/11/2009

Distribuição altitudinal e simpatria das aves do gênero Drymophila Swainson (Passeriformes, Thamnophilidae) na Mata Atlântica

Henrique Rajão & Rui Cerqueira

RESUMO:

Foram descritas e analisadas as distribuições altitudinais das seis espécies de Drymophila Swainson, endêmicas da Floresta Atlântica e identificados e discutidos os casos de simpatria. Para isso, foram usados dois conjuntos de dados, um em escala local (a Serra dos Órgãos, um segmento da Serra do Mar no Estado do Rio de Janeiro) e outro em escala regional (Mata Atlântica).

Os dois conjuntos de dados mostraram um padrão similar de distribuição altitudinal das espécies.

Palavras-chave: bambu; biogeografia; espécies endêmicas; Serra do Mar; Serra da Mantiqueira.

 Veja o texto completo


Humboldt nos Andes do Equador

25/11/2009

Humboldt nos Andes do Equador.  Ciência e romanticismo na descoberta científica da montanha

Pere Sunyer Martín

RESUMO:

A montanha foi, até meados do século XVIII, um espaço ajeno à curiosidade científica. Entre as contribuições de Humboldt às ciências, devemos considerar a descoberta da montanha. Mas ele não foi um precursor de tais estudos, e sim continuador do caminho empreendido por Jean Jacques Rousseau ou Horace Bénédict de Saussure. Neste artigo é apresentada a importância das investigações no âmbito da montanha no desenvolvimento das ciências naturais e enfatizar os aportes de Humboldt. Não foi somente o descobrimento de um naturalista, mas, também de uma alma romântica.
 

Palavra-chave: montanha, Saussure, Humboldt, Equador, Chimborazo, romantismo.

Veja o texto completo